sábado, 31 de dezembro de 2016

Adeus 2016 [finalmente]

Entrei em 2016 com o sorriso ingénuo de quem vive sem nada saber, despeço-me de 2016 com um sorriso magoado, sofrido mas ao mesmo tempo cheio de esperança, fé e com uma certeza, a de que o Amor é a maior benção que temos! 


2016 o ano que quero que chegue ao fim rapidamente.
2016 teve coisas boas sim, mas infelizmente as más dominaram-no.
2016 é aquele ano a que hoje apelido como o pior da minha vida.
2016 trouxe-me uma nova realidade, uma nova forma de estar e de viver, para a qual não estava preparada, à qual ainda não estou adaptada e à qual ainda não sei como consigo sobreviver diariamente.
Em 2016 tive a verdadeira confirmação de que não somos donos de nada, que vivemos sem saber nada, sem controlar nada e invadiu-me um sentimento de impotência e pequenez.
Em 2016 o meu coração saiu para sempre do meu peito.
Em 2016 tive de aceitar algo que achei inimaginável.
Em 2016 tive (tenho) de continuar, de seguir em frente, de viver, de sorrir com uma dor imensa no peito e na alma.
Em 2016 agarrei-me a uma fé inabalável, a uma força indestrutível, a um amor sem medida.
Em 2016 comecei uma luta, a luta de uma vida, de fazer com que todos os dias contem e que façam a diferença, aquela diferença que tudo pode mudar, a diferença que me dá alento e esperança.
De 2016 carrego uma mala cheia de lições e hoje sou uma pessoa totalmente diferente do que era há 365 dias atrás.

2016 chega ao fim mas a minha luta não e não há nada que impeça uma Mãe de lutar, de acreditar, de confiar, porque uma Mãe nunca cruza os braços, nunca desiste e eu continuarei a lutar, mesmo contra todas as estatísticas, certezas, incertezas ou maus pronúncios! Vai tudo correr bem, vai tudo correr bem... 


✩ Instagram @claudiagoncalvesganhao

1 comentário

Instagram

TODAS AS IMAGENS E CONTEÚDOS DESTE BLOG SÃO PROPRIEDADE DE CLÁUDIA GONÇALVES GANHÃO.
NÃO É PERMITIDO COPIAR OU UTILIZAR QUAISQUER CONTEÚDOS DESTE BLOG
PARA QUALQUER FINALIDADE SEM AUTORIZAÇÃO DA MESMA.
© Sunny November. Design by Fearne.